Métodos contraceptivos para controlo da natalidade

Qual é o melhor método de controlo da natalidade (ou contraceptivo)?

Não existe um “melhor” método de controlo da natalidade

Todas as mulheres e todos os homens podem assumir o controlo e decidir quando, e se, querem ser pais. O processo de escolha do controlo da natalidade, ou do contraceptivo, não é fácil. Existem muitos aspectos a considerar. Para começar, informe-se sobre os métodos contraceptivos que você ou o seu parceiro podem utilizar para evitar a gravidez. Você pode ainda discutir com o seu médico as opções.

Antes de escolher o método de controlo da natalidade, considere:

  • O estado geral da sua saúde
  • A frequência das suas relações sexuais
  • O número de parceiros sexuais que tem
  • Se quer vir a ter filhos no futuro
  • A eficácia de cada método na prevenção da gravidez
  • Possíveis efeitos secundários
  • O seu nível de conforto com o método escolhido

Lembre-se, mesmo os métodos contraceptivos mais eficazes podem falhar. Mas as suas hipóteses de engravidar são mínimas se o método que você elegeu for sempre utilizado de forma correcta e sempre que tem relações sexuais.

Que tipos de contraceptivos existem?

Existem vários métodos controlo da natalidade à sua escolha. Eles encontram-se aqui agrupados de acordo com o seu funcionamento:

Tipos de contraceptivos

  • Abstinência continuada
  • Planeamento familiar natural/método rítmico

 

  • Barreiras
  • Esponja contraceptiva
  • Diafragma, capuz cervical e escudo cervical
  • Preservativo feminino
  • Preservativo masculino
  • Métodos hormonais
  • Contraceptivos orais — pílula combinada (“a pílula”)
  • Contraceptivos orais — pílula de progesterona (“mini-pílula”)
  • Adesivo
  • Injecção/Vacina
  • Anel vaginal
  • Aparelhos implantáveis
  • Implante
  • Aparelhos intrauterinos
  • Métodos contraceptivos permanentes
  • Implante de esterilização
  • Esterilização cirúrgica
  • Contraceptivos de emergência

Os diagramas que se seguem oferecem informações detalhadas sobre cada tipo. Fale com o seu médico se tiver algumas dúvidas em relação a algum dos métodos.

Abstinência continuada
Isto significa não ter sexo (vaginal, anal ou oral) nunca. Esta é a única forma infalível de prevenir a gravidez e de proteger o seu organismo contra doenças sexualmente transmissíveis (DST), incluindo o VIH.

 

Planeamento familiar natural/método rítmico
Este método envolve a abstinência ou a utilização de um método de barreira nos dias em que está mais fértil (quando as probabilidades de engravidar são maiores). Saiba mais sobre os métodos de barreira no diagrama que se segue.Uma mulher com um ciclo menstrual regular tem cerca de 9 dias ou mais, em cada mês, em que pode engravidar. Estes dias férteis ocorrem cerca de 5 dias antes e 3 dias depois da ovulação, bem como no dia da ovulação.Para que este método seja bem sucedido, você precisa de conhecer o seu ciclo menstrual. Só então poderá aprender a prever os dias em que se encontra fértil ou em que “não é seguro” ter relações sexuais. Para conhecer melhor o seu ciclo, mantenha um registo escrito:

  • Dos dias em que está com o período
  • Do tipo de período (fluxo leve ou pesado)
  • Do que sente (sensibilidade nos seios, cãibras)

Este método inclui ainda a verificação do seu muco cervical e da medição diária da sua temperatura corporal. O muco cervical é o corrimento da sua vagina. Você está mais fértil quando o muco é transparente e escorregadio, como claras de ovo cruas. Utilize um termómetro basal para registar a sua temperatura e mantenha uma tabela com os valores. A sua temperatura vai aumentar entre 0.5 e 0.8ºC no primeiro dia da ovulação. Fale com o seu médico ou com um orientador de planeamento familiar natural para saber como deve registar e interpretar esta informação.

 

Métodos de barreira — colocação de um bloqueio, ou de uma barreira, para impedir que o esperma atinja o óvulo 
Esponja contraceptivaA barreira deste método é um aparelho mole e em forma de disco, com um anel para poder ser retirado. É feito em espuma de poliuretano e contém o espermicida nonoxinol-9. Os espermicidas matam o esperma.Antes do acto sexual, você tem de molhar a esponja e inseri-la, com o anel para baixo, na sua vagina de modo a cobrir o cérvix. A espoja é eficaz para mais do que um acto sexual até um período de 24 horas. É preciso que ela fique inserida até 6 horas depois do acto sexual para prevenir a gravidez. Ela deve ser retirada até um período máximo de 30 horas depois de ser introduzida.Nos Estados Unidos é vendido apenas um tipo de esponja. É a chamada Today Sponge. As mulheres com sensibilidade ao espermicida nonoxinol-9 não devem utilizar a esponja.

 

Diafragma, capuz cervical e escudo cervicalEstes métodos de barreira bloqueiam a entrada do esperma no cérvix (a abertura para o seu ventre) e impedem que ele atinja o óvulo.

  • O diafragma é um copo em latex pouco profundo.
  • O capuz cervical é um copo em latex em forma de dedal. Normalmente é conhecido pelo nome da marca, FemCap.
  • O escudo cervical é um copo em silicone com uma válvula que cria sucção e que o mantém fixo contra o cérvix. É normalmente conhecido pelo nome da marca, Lea’s Shield.

O diafragma e o capuz cervical são vendidos com vários tamanhos, e é necessário que o seu médico prescreva um à sua medida. O escudo cervical apresenta apenas um tamanho, e você não precisa de tirar a medida.

Antes do acto sexual, junte espermicida (para bloquear ou matar o esperma) aos aparelhos. Coloque-os então dentro da sua vagina de modo a cobrir o cérvix. Você pode comprar gel ou espuma espermicida em qualquer farmácia.

Todos estes métodos de barreira devem continuar inseridos 6 a 8 horas após o acto sexual, de modo a evitar a gravidez. O diafragma deve ser removido até um máximo de 24 horas. O capuz e o escudo devem ser removidos até um máximo de 48 horas.

Preservativo femininoEste preservativo é utilizado pelas mulheres e colocado dentro da vagina. Ele impede o esperma de entrar no corpo. É fabricado numa borracha artificial fina e flexível, e é vendido em conjunto com um lubrificante. Pode ser inserido até 8 horas antes do acto sexual. Deve ser utilizado um preservativo novo em cada acto sexual. E não deve ser utilizado em simultâneo com um preservativo masculino.
Preservativo masculinoO preservativo masculino é um revestimento fino que é colocado sobre o pénis erecto, de modo a impedir a entrada do esperma dento do corpo da mulher. Os preservativos podem ser fabricados em latex, poliuretano ou “pele de cordeiro/natural”. Os preservativos naturais não protegem contra DST. Os preservativos são mais eficazes quando utilizados em conjunto com um espermicida vaginal, que mata o esperma. É necessário utilizar um preservativo novo em cada acto sexual.Os preservativos podem ser:

  • Lubrificados, o que torna a penetração mais confortável
  • Não lubrificados, o que significa que também podem ser utilizados no sexo oral. É sempre melhor juntar lubrificação aos preservativos não-lubrificados durante o sexo vaginal e anal. Você pode usar um lubrificante à base de água, como o gel K-Y. Pode comprar o lubrificante numa farmácia. Os lubrificantes à base de óleo, como os óleos de massagem, os óleos para bebés, as loções ou a vaselina enfraquecem o preservativo, que pode acabar por rasgar ou rebentar.

Os preservativos devem ser guardados num local fresco e seco. Se forem guardados num local quente (como uma carteira ou o compartimento das luvas), o latex perde a qualidade. Nesses casos o preservativo pode rasgar ou rebentar.

 

 

Métodos hormonais — Previnem a gravidez intervindo na ovulação, fertilização, e/ou implantação do óvulo fertilizado
Contraceptivos orais — pílula combinada (“a pílula”)A pílula contém estrogénio e progesterona, duas hormonas. Tomada diariamente previne a libertação do óvulo pelos ovários. A pílula provoca ainda algumas alterações no revestimento do útero e no muco cervical, impedindo o esperma de se combinar com o óvulo.Algumas mulheres preferem as pílulas de “ciclo estendido”. Estas pílulas contêm 12 semanas de pílulas com hormonas (activas) e uma semana de pílulas sem hormonas (inactivas). Ao tomarem este tipo de pílula as mulheres só têm o período três ou quatro vezes por ano.Existem muitos tipos de contraceptivos orais. Fale com o seu médico para saber qual é o melhor para si.

O seu médico pode aconselhá-la a não tomar a pílula se:

  • Tiver mais de 35 anos e for fumadora
  • Tiver um histórico de coágulos no sangue
  • Tiver um histórico de cancro da mama, do fígado ou endométrico

Os antibióticos podem reduzir a eficácia da pílula em algumas mulheres. Fale com o seu médico para desenvolver um método contraceptivo alternativo quando precisar de tomar antibióticos.

As mulheres devem esperar três semanas após um parto para começar a utilizar uma pílula que contenha estrogénio e progesterona. Estes métodos aumentam o risco de coágulos sanguíneos que se podem formar depois de um parto. As mulheres que deram à luz por cesariana ou que apresentam outros factores de risco para o desenvolvimento de coágulos sanguíneos, como obesidade, histórico de coágulos no sangue, tabagismo, pré-eclâmpsia, devem esperar seis semanas.

 

O adesivoTambém conhecido pelo seu nome de marca, Ortho Evra, este adesivo é utilizado na zona inferior do abdómen, nas nádegas, na zona exterior do braço, ou na área superior do corpo. O adesivo liberta o estrogénio e a progesterona, duas hormonas, na corrente sanguínea e impede que os ovários libertem o óvulo, na maioria das mulheres. Ele provoca ainda o espessamento do muco cervical, o que impede a junção do esperma e do óvulo. É necessário trocar o adesivo a cada três semanas. Na quarta semana não se usa o adesivo, para que o período apareça.As mulheres devem esperar três semanas após um parto para começar a utilizar um método contraceptivo que contenha estrogénio e progesterona. Estes métodos aumentam o risco de coágulos sanguíneos que se podem formar depois de um parto. As mulheres que deram à luz por cesariana ou que apresentam outros factores de risco para o desenvolvimento de coágulos sanguíneos, como obesidade, histórico de coágulos no sangue, tabagismo, pré-eclâmpsia, devem esperar seis semanas. 
Injecção/vacinaA vacina contraceptiva é normalmente conhecida pelo seu nome de marca, Depo-Provera. Através deste método a mulher recebe vacinas, ou injecções, de progesterona nas nádegas ou no braço, uma vez em cada 3 meses. Um tipo mais recente é injectado sob a pele. Este método contraceptivo impede a libertação do óvulo pelos ovários na maioria das mulheres. Ele provoca ainda alterações no cérvix, que impedem o esperma de se juntar ao óvulo.A injecção não deve ser usada durante mais de dois anos de seguida, já que pode provocar uma perda temporária da densidade óssea. Esta perda aumenta com o tempo de utilização do método. O osso volta a crescer quando o método é interrompido, mas pode aumentar o risco de fracturas ou de osteoporose se for utilizado durante muito tempo. 
Anel vaginalEste é um anel fino e flexível que liberta progesterona e estrogénio. Ele impede a libertação dos óvulos pelos ovários. Ele provoca ainda o espessamento do muco cervical, o que impede o esperma de se combinar com o óvulo.É normalmente conhecido como NuvaRing, o seu nome de marca. O anel deve ser comprimido entre o polegar e o indicador, sendo então inserido dentro da vagina. O anel é utilizado durante três semanas e retirado na semana na semana do seu período, sendo colocado um anel novo depois.As mulheres devem esperar três semanas após um parto para começar a utilizar um método contraceptivo que contenha estrogénio e progesterona. Estes métodos aumentam o risco de coágulos sanguíneos que se podem formar depois de um parto. As mulheres que deram à luz por cesariana ou que apresentam outros factores de risco para o desenvolvimento de coágulos sanguíneos, como obesidade, histórico de coágulos no sangue, tabagismo, pré-eclâmpsia, devem esperar seis semanas.

 

 

Aparelhos implantáveis — aparelhos que são ineridos no corpo, onde ficam durante anos.
ImplanteEste é um implante flexível e do tamanho de um fósforo que é colocado sobre a pele no antebraço. É normalmente conhecido pelo seu nome de marca, Implanon. O implante liberta progesterona, provocando alterações no revestimento do útero e no muco cervical que impedem a junção do esperma e do óvulo. Embora seja menos frequente, também pode parar a libertação do óvulo pelos ovários. A sua eficácia mantém-se três anos.
Aparelhos intrauterinos ou DIUO DIU é um pequeno aparelho em forma de “T” que é inserido no útero. Existem dois tipos:

  • DIU de cobre — O DIU de cobre é conhecido pelo seu nome de marca, ParaGard. Ele liberta uma pequena quantidade de cobre no útero, o que impede o esperma de atingir e fertilizar o óvulo. Se a fertilização chegar a ocorrer, o DIU impede que o óvulo fertilizado se implante no revestimento do útero. O DIU é colocado pelo médico e pode ficar dentro do útero 5 a 10 anos.
  • DIU Hormonal — O DIU hormonal é conhecido pelo seu nome comercial Mirena. Por vezes é chamado de sistema intrauterino, ou SIU. Ele liberta progesterona no útero, o que impede a libertação do óvulo pelos ovários e provoca o espessamento do muco cervical, pelo que o esperma não consegue atingir o óvulo. Ele afecta ainda a capacidade que o óvulo tem de se implantar com sucesso no útero. O DIU hormonal é colocado pelo médico e pode ficar dentro do útero até 5 anos.

 

Métodos contraceptivos permanentes — Para pessoas que têm a certeza que nunca vão querer ter filhos ou que não querem mais filhos
Implante de esterilização (essure)O essure é o primeiro método de esterilização feminina que não envolve cirurgia. É utilizado um tubo muito fino para introduzir um aparelho muito pequeno e em forma de mola, através da vagina e do útero, em cada trompa de falópio. O aparelho provoca a formação de tecido cicatrizado em torno da mola. Isto bloqueia as trompas de falópio e impede que o óvulo e o esperma entrem em contacto.O tecido cicatrizado pode levar até três meses a crescer, pelo que é importante utilizar outro método contraceptivo durante este período. Passados esses três meses o médico precisa de realizar um teste e verificar se o tecido cicatrizado se formou e se as trompas foram totalmente bloqueadas. 
Esterilização cirúrgicaNas mulheres, a esterilização cirúrgica envolve o fechamento das trompas de falópio, que são cortadas e amarradas ou seladas. Isto impede que os ovos desçam até ao útero, onde podem ser fertilizados. A cirurgia pode ser realizada de várias formas. Por vezes as mulheres que são submetidas a uma cesariana são simultaneamente submetidas a este procedimento, para evitar novas cirurgias no future.Nos homens, a vasectomia impede o esperma de chegar ao pénis, pelo que o sémen nunca contém espermatozoides. Os espermatozoides mantêm-se em circulação após a cirurgia durante cerca de três meses. Durante esse período deve utilizar um método contraceptivo alternativo para evitar a gravidez. Um teste simples, uma análise ao sémen, permite verificar se os espermatozoides já não se encontram no sistema.

 

Contracepção de emergência — utilizada quando o método contraceptivo primário da mulher falha. Não deve ser utilizado como um método contraceptivo regular.
A contracepção de emergência (Plan B, One-Step ou Next Choice. É também conhecida como a “pílula do dia seguinte.”)A contracepção de emergência impede a mulher de engravidar depois de um encontro sexual vaginal sem protecção. “Sem protecção” significa que não foi utilizado nenhum método contraceptivo. Também significar que foi utilizado um método contraceptivo mas que foi utilizado de forma incorrecta ou que não funcionou (como um preservativo que rompe). Ou, a mulher pode ter-se esquecido de tomar a pílula contraceptiva. Pode ainda ter sido abusada ou forçada ao acto sexual. São várias as razões que podem levar uma mulher a precisar de tomar um contraceptivo de emergência.Os contraceptivos de emergência podem ser tomados como um comprimido isolado ou em duas doses. O tratamento de uma só dose funciona tão bem como o de duas e não tem mais efeitos secundários. O tratamento impedem a libertação do óvulo pelos ovários ou impedem a junção do espermatozoide com o óvulo. Para que as hipóteses de funcionar aumentem, a pilula deve o mais rapidamente possível após o acto sexual desprotegido. Deve ser tomada até 72 horas depois.Os contraceptivos de emergência são vendidos em doses únicas e em doses de duas unidades sem necessidade de receita a mulheres acima dos 17 anos de idade.

Todos os métodos contraceptivos protegem de doenças sexualmente transmissíveis (DST)?

Não. O preservativo masculino em latex é o único método contraceptivo que ajuda a impedir a transmissão de DST, incluindo o VIH. A eficácia do preservativo feminino na prevenção de DST e do VIH encontra-se sob estudo.

Quão eficazes são os diferentes métodos de controlo da natalidade? Têm efeitos secundários?

Todos os métodos contraceptivos funcionam melhor se forem usados correctamente e sempre que praticar sexo. Certifique-se que sabe como os utilizar. Por vezes os médicos não explicam como determinado método deve ser utilizado porque partem do princípio que a mulher já sabe. Fale com o seu médico que tiver dúvidas. Eles estão habituados a falar sobre métodos contraceptivos, por isso não sinta vergonha de falar com ele.

Alguns métodos de controlo da natalidade podem levar algum tempo e prática a dominar. Por exemplo, nem toda a gente sabe que o preservativo masculino pode ser colocado do “avesso”. E nem toda a gente sabe que é necessário deixar um espaço na ponta do preservativo para acomodar o sémen e o fluido que o homem ejacula durante o orgasmo.

De seguida apresentamos uma lista dos métodos de controlo da natalidade com as respectivas taxas de fracasso e possíveis efeitos secundários.

Os métodos de controlo da natalidade, as taxas de fracasso, e os efeitos secundários
Método Taxa de fracasso (número de casos de gravidez por cada 100 mulheres) Alguns efeitos secundários e riscos
Cirurgia de esterilização feminina Menos de uma gravidez
  • Dores
  • Hemorragias
  • Complicações após a cirurgia
  • Gravidez ectópica (tubária)
Implante de esterilização feminino
(Essure)
Menos de uma gravidez
  • Dores
  • Gravidez ectópica (tubária)
Cirurgia de esterilização masculina Menos de uma gravidez
  • Dores
  • Hemorragias
  • Complicações após a cirurgia
Implante
(Implanon)
Menos de uma gravidezPode não funcionar em todas as mulheres, se tiverem excesso de peso ou forem obesas.
  • Acne
  • Aumento do peso
  • Cistos ovarianos
  • Alterações de humor
  • Depressão
  • Perda de cabelo
  • Dores de cabelo
  • Problemas de estômago
  • Tonturas
  • Sensibilidade nos seios
  • Alterações no período
  • Menor interesse no sexo
Aparelho intrauterino
(ParaGard, Mirena)
Menos de uma gravidez
  • Cãibras
  • Hemorragia entre períodos
  • Doença pélvica inflamatória
  • Infertilidade
  • Rompimento ou perfuração do útero
Vacina/Injecção
(Depo-Provera)
Menos de uma gravidez
  • Hemorragia entre períodos
  • Aumento de peso
  • Sensibilidade nos seios
  • Dores de cabeça
  • Perda óssea em utilizações continuadas
Contraceptivos orais (pílula combinada, ou “a pílula”) 5 casos de gravidezTer excesso de peso pode aumentar a probabilidade de engravidar enquanto a pílula é utilizada.
  • Tonturas
  • Problemas de estômago
  • Alterações no período
  • Alterações no humor
  • Aumento de peso
  • Pressão arterial elevada
  • Coágulos sanguíneos
  • Ataque cardíaco
  • Enfarte
  • Problemas de visão adicionais
Contraceptivos orais (pílula de uso estendido ou “sem período) 5 casos de gravidezO excesso de peso pode aumentar a probabilidade de engravidar enquanto se utiliza a pílula.
  • Iguais aos da pílula combinada
  • Manchas ou hemorragias entre períodos
  • Difícil de detectar uma gravidez
Contraceptivos orais (pílula de progesterona, ou “mini-pílula”) 5 casos de gravidezO excesso de peso pode aumentar a probabilidade de engravidar enquanto se utiliza a pílula.
  • Manchas ou hemorragias entre períodos
  • Aumento de peso
  • Sensibilidade nos seios
Adesivo
(Ortho Evra)
5 casos de gravidezPode não ter a mesma eficácia em mulheres acima dos 90 kg.
  • Efeitos semelhantes aos da pílula combinada
  • Maior exposição ao estrogénio do que com os outros métodos
Anel vaginal (NuvaRing) 5 casos de gravidez
  • Efeitos semelhantes aos da pílula combinada
  • Vagina inchada
  • Irritação
  • Corrimento vaginal
Preservativo masculino 11-16 casos de gravidez
  • Reacções alérgicas
Diafragma com espermicida 15 casos de gravidez
  • Irritação
  • Reacções alérgicas
  • Infecção do trato urinário
  • Choque tóxico se for deixado demasiado tempo
Esponja com espermicida (Today Sponge) 16-32 casos de gravidez
  • Irritação
  • Reacções alérgicas
  • Dificuldade em remover
  • Choque tóxico se for deixada demasiado tempo
Capuz cervical com espermicida 17-23 casos de gravidez
  • Irritação
  • Reacções alérgicas
  • Testes Papanicolau fora do normal
  • Choque tóxico se for deixado demasiado tempo
Preservativo feminino 20 casos de gravidez
  • Irritação
  • Reacções alérgicas
Planeamento familiar natural (método rítmico) 25 casos de gravidez Nenhum
Espermicida isolado 30 casos de gravidezFunciona melhor se utilizado em conjunto com um método de barreira, como o preservativo.
  • Irritação
  • Reacções alérgicas
  • Infecção do trato urinário
Contracepção de emergência (“pílula do dia seguinte,” “Plan B One-Step,” “Next Choice”) 1 gravidezDeve ser tomada até 72 horas depois do acto sexual desprotegidoNão deve ser utilizada como um método de controlo da natalidade regular; apenas em emergências.
  • Problemas de estomago
  • Vómitos
  • Dores de estômago
  • Fadiga
  • Dores de cabeça e tonturas
  • Hemorragias irregulares
  • Sensibilidade nos seios

 

Onde posso adquirir o contraceptivo? É necessário consultar o meu médico?

O local de compra depende do método que eleger.

Os seguintes métodos podem ser comprados sem receita médica:

  • Preservativos masculinos
  • Preservativos femininos
  • Esponjas
  • Espermicidas
  • Pílulas contraceptivas de emergência (raparigas com menos de 17 anos precisam de receita)

É necessária uma receita para:

  • Contraceptivos orais: a pílula, a mini-pílula
  • Adesivo
  • Anel vaginal
  • Diafragma (o seu médico precisa de receitar um à sua medida)
  • Capuz cervical
  • Escudo cervical
  • Vacina/injecção (você recebe a injecção no consultório do seu médico)
  • DIU (inserido pelo médico)
  • Implante (inserido pelo médico)

É necessária uma cirurgia ou um procedimento médico para:

  • Esterilização, feminina e masculina

Existe algum tipo de espuma ou gel que posso utilizar para evitar a gravidez?

Você pode comprar espermicidas sem receita médica. Eles funcionam matando os espermatozoides. Pode adquiri-los em vários formatos:

  • Espuma
  • Gel
  • Creme
  • Filme
  • Supositório
  • Comprimido

Os espermicidas são colocados na vagina até uma hora antes do acto sexual. Se estiver a utilizar um filme, supositório ou comprimido, espere pelo menos 15 minutos antes de ter relações sexuais, para que o espermicida se possa dissolver. Não faça nenhuma lavagem vaginal até pelo menos 6 a 8 horas depois do acto sexual. O espermicida deve ser utilizado sempre em cada acto sexual.

Os espermicidas são mais eficazes se forem utilizados com um método de barreira, como um preservativo, um diafragma ou um capuz cervical. Alguns espermicidas são fabricados para serem utilizados apenas com o diafragma e com o capuz cervical. Verifique na embalagem se está a comprar o formato adequado.

Todos os espermicidas contêm substâncias químicas que matam os espermatozoides. Alguns contêm nonoxinol-9, que pode aumentar o risco de contracção do VIH se for utilizado com muita frequência. Esta substância irrita os tecidos da vagina e do ânus, permitindo que o vírus do VIH entre de forma mais livre no organismo. Algumas mulheres são sensíveis ao nonoxinol-9 e precisam de espermicidas sem essa substância. Os medicamentos para as infecções fúngicas vaginais podem reduzir a eficácia dos espermicidas. Além disso, os espermicidas não impedem a transmissão de doenças sexualmente transmissíveis.

O método da retirada é eficaz no controlo da natalidade?

Nem por isso! A retirada é quando o homem retira o pénis da vagina (ou “puxa para fora”) antes de ejacular ou antes de atingir o orgasmo. Isso impede que o esperma chegue ao óvulo. Mas “puxar para fora” pode ser muito difícil para o homem e requer muito auto-controlo.

Mesmo que utilize a retirada, pode ser libertado sémen antes do homem puxar o pénis para fora. Quando o pénis do homem atinge a erecção pode haver fluido pré-ejaculatório na ponta do órgão. Este fluido pode conter sémen. Isso faz com que seja possível engravidar.

A retirada não a protege das DST ou do VIH.

Todas as pessoas que conheço utilizam a pílula. É um método seguro?

As pílulas actuais têm as doses de hormonas mais baixas de sempre. Isto reduziu amplamente o risco de efeitos secundários. Mas ainda existem aspectos positivos e negativos associados à pílula. Os aspectos positivos incluem:

  • Períodos mais regulares e mais leves
  • Menos dores menstruais
  • Redução do risco de cancro dos ovários, cervical ou do endométrio, doença inflamatória pélvica (DIP), cistos não cancerosos nos ovários, e anemia por falta de ferro

Os aspectos negativos incluem, em algumas mulheres, o aumento do risco de:

  • Doenças cardíacas, pressão arterial elevada e coágulos sanguíneos
  • Náuseas, dores de cabeça, sensibilidade nos seios e aumento de peso
  • Hemorragias irregulares
  • Depressão

Muitos destes efeitos secundários desaparecem quando a pílula é interrompida durante alguns meses. As mulheres que fumam, que têm mais de 35 anos ou que têm um histórico de coágulos sanguíneos, de cancro da mama ou de cancro do endométrio têm mais probabilidade de experienciar os efeitos secundários e é possível que não possam tomar a pílula. Fale com o seu médico para saber se a pílula é a melhor opção no seu caso.

As pílulas contraceptivas protegem-me de doenças sexualmente transmissíveis, incluindo o VIH/SIDA?

Não, elas não a protegem. As pílulas contraceptivas e a maioria dos outros métodos de controlo da natalidade não a protegem das DST, incluindo o VIH (o vírus que provoca a SIDA). Elas só protegem contra a gravidez.

O preservativo masculino de latex é o melhor método contraceptivo que também a protege das DST, incluindo o VIH. Se for alérgica ao latex, os preservativos de poliuretano são uma boa alternativa. Se o seu parceiro não pode ou não quer utilizar o preservativo masculino, os preservativos femininos também criam uma barreira que ajuda a protegê-la das DST.

É importante utilizar apenas preservativos em latex ou poliuretano na protecção contra as DST. Os preservativos “naturais” ou de “pele de cordeiro” têm pequenos poros que podem permitir a passagem de vírus como o VIH, a hepatite B e a herpes.  Se optar por preservativos masculinos sem lubrificação durante o sexo vaginal e anal, você pode adicionar a lubrificação com lubrificantes à base de água (como o gel K-Y), comprados em qualquer farmácia. Nunca utilize produtos à base de óleo, como óleos de massagem, óleo para bebés, loções ou vaselina para lubrificar o preservativo masculino. Estes produtos danificam o preservativo e podem levar ao seu rompimento. Use sempre um preservativo novo em cada acto sexual.

Ouvi as minhas amigas falarem sobre diques de borracha — o que são?

O dique de borracha é um pedaço de borracha quadrado, utilizado pelos dentistas durantas as cirurgias orais e noutros procedimentos. Não é um método de controlo da natalidade. Mas pode ser utilizado na prevenção das DST, incluindo o VIH, durante o sexo oral-vaginal ou oral-anal. A borracha é colocada sobre a vagina ou sobre o ânus antes do sexo oral. Os diques de borracha podem ser comprados em lojas especializadas em materiais cirúrgicos.

Se quiser saber mais sobre a Autora siga o perfil de Brenda Riley no Google+

Publicado em Saúde sexual, Sexualidade

Deixe uma resposta